< Voltar

Por que investir em condomínios logísticos?

Contornar gargalos logísticos e reduzir custos são exemplos de desafios que gestores da cadeia de suprimentos constantemente enfrentam. Nesse cenário, empresas que buscam otimizar suas operações de armazenagem e transporte encontraram uma boa saída nos conhecidos condomínios logísticos, uma solução que surgiu nos anos 90, com o intuito de suprir as demandas de instituições desse setor.

Desde então, a ideia conquistou cada vez mais clientes e a procura por esse tipo de instalação aumentou significativamente.

Esse fenômeno acontece porque muitas empresas se sentem atraídas pelas vantagens oferecidas pelos condomínios logísticos, como a possibilidade de operar em pontos mais privilegiados, como em locais mais próximos dos principais centros de produção e escoamento e, assim, driblar congestionamentos e longas distâncias.

Para muitas empresas, esse recurso é a tática ideal para planejar o crescimento e tornar a logística mais estratégica e competitiva. Continue a leitura deste texto para entender tudo sobre esse sistema e por que sua empresa deve apostar nessa ideia.

O que são condomínios logísticos?

Essencialmente, condomínios logísticos são construções imobiliárias que — assim como no contexto residencial — oferecem espaços e lotes para empresas dedicadas à armazenagem e outras operações da cadeia de suprimentos. Dessa maneira, um empreendimento pode reservar uma área para suas atividades que fique fora do ambiente da fábrica, sede ou filiais.

Nesse modelo, o condomínio providencia um galpão com instalações sob medida para as necessidades da empresa com toda a infraestrutura disponível. As despesas comuns — fornecimento de energia e água, por exemplo — são rateadas entre as empresas que sublocam as unidades do condomínio.

Esses empreendimentos são, em geral, construídos fora das grandes áreas urbanas, porém muito próximos às vias que são acesso aos principais centros de consumo.

Como o objetivo é otimizar distâncias, esses complexos procuram lugares que se aproximam de rodovias que interligam os estados e as regiões no país para suas instalações, sempre buscando acompanhar a evolução do mercado por meio de estudos sobre a demanda e avaliações.

Sendo assim, muitos condomínios logísticos procuram alternativas inteligentes à rotas e pontos sobrecarregados, com um volume expressivo de circulação de veículos, sobretudo na região Sudeste. Esse detalhe faz com que a ideia seja ainda mais atraente para reduzir gastos, racionalizar o transporte e escapar de restrições.

Os tipos de condomínios logísticos

Atualmente, existem dois tipos de condomínios logísticos, a saber:

  • Monousuário: são galpões individuais que atendem um cliente e são montados sob encomenda, de acordo com as especificações da empresa contratante. Como resultado, o espaço reservado fica mais personalizado e, consequentemente, menos adaptável para outros empreendimentos, quando essa área for disponibilizada novamente;
  • Flex: esse tipo é composto de espaços modulares que podem ser alocados individualmente ou em grupos. Como o nome indica, são mais flexíveis e sofrem alterações pontuais.

De acordo com a sua finalidade, os condomínios logísticos também podem ser classificados em outras 4 categorias. Acompanhe:

  • Armazéns: são projetados para comportar operações de estoque e possuem estrutura compatível, como porta-paletes;
  • Cross-docking: esse tipo foi desenvolvido como uma solução para transportadoras que não trabalham com estoque e precisam apenas de um espaço para movimentação de carga;
  • Misto: possuem estruturas diversificadas e permitem atividades logísticas diversas;
  • Industriais: esses podem ter instalações customizadas e, por isso, usados por empresas de diferentes segmentos.

Quais são as vantagens e desvantagens dessas instalações?

Os benefícios de apostar no modelo de condomínios logísticos estão além da economia de gastos e localização privilegiada. Assim como acontece com as moradias comuns, esses empreendimentos contam com um completo sistema de segurança e acesso, e têm uma boa oferta de áreas de apoio para gestores e funcionários.

O espaço coletivo nesses complexos mimetiza o sistema dos conhecidos condomínios de luxo residenciais: comércio, boas opções para alimentação e até alternativas para o descanso e lazer fazem parte da estrutura dessas pequenas cidades, equipadas com todo tipo de facilidade. Assim, é possível encontrar instalações como:

  • refeitório e restaurantes;
  • salas para reuniões e treinamentos;
  • auditórios;
  • áreas de descanso para os motoristas e demais colaboradores com banheiro;
  • salas para gerência e administração;
  • heliponto;
  • gerador de energia;
  • estacionamento externo.

Além disso, a questão da sustentabilidade dos condomínios logísticos também pode ser vista como uma grande vantagem para empresas que desejam incorporar políticas de responsabilidade ambiental em seus planos estratégicos de negócio e marketing.

Empreendimentos do setor da logística estão cada vez mais interessados em iniciativas sustentáveis. Assim como na construção civil, a cadeia de suprimentos é um segmento entre os mais poluentes e que mais consomem matérias-primas e recursos naturais. A pressão da sociedade e dos consumidores é grande para que a redução desses impactos seja feita.

Por essa razão, diversas empresas hoje em dia se dedicam a ações ecologicamente corretas a fim de garantir um futuro melhor para o planeta e reverter esse cenário de degradação do meio ambiente.

Nesse sentido, são percebidas como um ganho para a imagem da empresa as boas práticas adotadas pelos condomínios logísticos, por exemplo:

  • reúso de águas pluviais;
  • medidas contra o desperdício;
  • coleta seletiva de lixo;
  • estações de tratamento de efluentes;
  • adoção de métodos de fornecimento de água, energia e sistema de telefonia mais modernos e ambientalmente corretos.

Em suma, os inquilinos desse tipo de condomínio podem desfrutar de diversas vantagens como estas:

  • divisão das despesas com manutenção, segurança, portaria, limpeza, jardinagem, entre outros serviços comuns;
  • localização favorável que contribui para a visibilidade da empresa;
  • uso de áreas comuns de apoio;
  • flexibilidade de poder reduzir suas operações ou até mesmo expandir e adicionar novos módulos de produção sem complicações, demoras ou mudanças de endereço.

Por outro lado, uma desvantagem está relacionada aos custos: apesar dos múltiplos serviços, as despesas fixas do condomínio podem pesar no caixa de algumas empresas e inviabilizar investimentos e novos projetos de negócio.

Por que apostar nessa solução?

Como vimos, condomínios logísticos, analisando os prós e os contras, podem representar um importante investimento para a empresa. Para a logística empresarial, a facilidade de escoamento das cargas é uma vantagem indispensável — poder ter um centro de distribuição localizado próximo de aeroportos, rodovias e ferrovias é crucial para otimizar a movimentação e ter mais produtividade.

Ademais, a possibilidade de adaptar esse recurso de acordo com a realidade do empreendimento faz com que essa solução se torne muito atraente para pequenas, médias ou grandes instituições.

O potencial de crescimento dos condomínios logísticos no Brasil é grande e a demanda por esse tipo de serviço está aquecida. Por ser uma solução flexível que auxilia gestores na organização da cadeia de suprimentos, ela promete ser o investimento que contribuirá para o sucesso da empresa esse setor.

Gostou de ler este conteúdo e está interessado em se informar mais sobre as novidades em logística? Então, assine nossa newsletter e receba sempre por e-mail nossos posts e atualizações!


Veja Também